Inteligência – visão inatista, empirista e construtivista

Existem três visões a respeito de inteligência e isso consequentemente ocasiona alguns resultados para a educação. Hoje falaremos sobre a visão inatista, empirista e construtivista de inteligência.

Então vamos lá….

Visão inatista:  Defende a idéia de que a inteligência é um dom, talento ou vocação que o sujeito possui sem ensinamentos ou esforços para aprender.



Platão 427-347 a.C. Defende a teoria das idéias congênitas, ou seja, que a alma precede o corpo e que desta forma, a alma recupera as idéias antes de encarnar. Para Platão, o sujeito já nasce inteligente e a única coisa necessária a se fazer é que o educador interfira o menos possível, e que apenas o educador traga o saber a consciência e ajude a organizá-la.

Para Platão o indivíduo nasce com saberes adormecidos que só necessitam ser acordados, ou seja, o professor ajuda simplesmente o aluno a acessar aquilo que já existe dentro dele.

A visão inatista ocasiona algumas consequências como por exemplo: A classificação de alunos como “inteligente” ou um “caso perdido” na educação. O professor que possui uma visão inatista, acredita que não existe métodos de ensino para alunos com dificuldades, simplesmente acreditam que não a nada a se fazer por este aluno.

Visão empirista ou ambientalista:  Ela é o oposto da inatista; defende a teoria de que o sujeito aprende por meio de estímulos, qualidades positivas ou negativas de suas experiências vividas.

Aristóteles 384-322 a.C. defende uma teoria contrária a de Platão. Para Aristóteles o sujeito nasce com habilidades e capacidades para aprender, mas é necessário que ele passe por situações durante a vida, para que ocorra um pleno desenvolvimento.

Para Aristóteles o conhecimento é absorvido por nossos sentidos, e que por meio do educador o aluno copia seus conhecimentos e memorizá-os.

Professores com visão empirista ou ambientalista, costumam a se preocupar simplesmente com a memorização de conteúdos, e se esquecem de trabalhar a mente dos alunos e ajudá-los a refletir sobre os conteúdos estudados.

Visão construtivista:  O inatismo e empirismo são completamente opostos, e o construtivismo está no meio. Como assim no meio? O construtivismo considera que tanto o inatismo quanto o empirismo proporcionam o desenvolvimento da inteligência no sujeito, ou seja, as duas trabalham juntas para colaborar na evolução das habilidades cognitivas.

Segundo Piaget ainda que o sujeito tenha habilidades, vocação ou capacidades próprias, é necessário que ele tenha acesso a um ambiente que proporcione a concretização de suas habilidades.

Vou citar um exemplo para que vocês compreendam melhor sobre o construtivismo.

Suponhamos que um certo sujeito nasça com uma imensa aptidão para a música, mas nunca teve a oportunidade de pegar em um instrumento musical. Na opinião de vocês  se de repente alguém desce na mão dele um instrumento ele tocaria imediatamente?

Com certeza não. Seria necessário que ele tivesse acesso e oportunidade de aprender para que assim ele dominasse o talento que ele possui.

Entendemos que o construtivismo se trata da vocação e das oportunidades trabalhando de forma conjunta, para que assim o sujeito possa desenvolver suas cognições. Espero ter ajudado vocês e até a próxima postagem.

bjus a todos vocês!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *