Ato motor e ato simbólico

Como já dissemos em outra postagem, para a psicomotricidade, corpo e mente não se separam, e do movimento surge o conhecimento.

Sendo assim, como passamos do ato para o pensamento?

Por meio do corpo experimentamos, percebemos, sentimos, conhecemos, nos comunicamos e nos relacionamos com o mundo exterior.

Até aproximadamente 2 anos de idade, as crianças produzem reações corporais que são interpretados pelos pais/responsáveis. O bebê procura por meio de gestos, choro, gritos e expressões, comunicar alguma necessidade.



Essas expressões corporais são interpretadas pelos pais e com o passar do tempo a criança começa atribuir significado a elas como por exemplo:

Suponhamos que o bebê está no colo da mãe, e sem intenção nenhuma estica os braços em direção ao pai. O pai por sua vez interpreta que seu filho quer o seu colo, e pega a criança no colo. Depois de um tempo ela faz esta mesma ação de novo e a mãe desta vez também a pega no colo, por que também interpreta que ela quer colo.

 Desta forma, com o passar do tempo, a criança percebe que sempre que ela estica os braços alguém pega ela no colo, ela passa a perceber que isso tem um significado, e passa do ato motor para o ato simbólico.

Em outras palavras, por meio dos movimentos interpretados e repetidos com frequência,  a criança começa a atribuir significados, e desta forma ela começa a esticar os braços propositalmente sabendo que alguém vai pegar ela no colo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *