Resumo A aprendizagem de ser educador de José Moran

No fragmento do livro: A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá, José Moran fala sobre a aprendizagem de ser educador. Segundo o autor o educador é considerado um especialista que com o passar do tempo vai ampliando seus conhecimentos como consequência de sua prática docente.

O professor recém formado passa por muitas experiências novas que lhe permite ver a realidade docente na prática. A princípio os professores recém formados se apresentam tensos sem saber muito o que fazer e tentam ao máximo criar estratégias e atividades que prendam a atenção do aluno.

Dentre as tentativas do novo docente, algumas dão certo, outras não e com o passar do tempo o professor vai reformulando novas estratégias e mantendo as que funcionaram. Segundo Moran, o professor percebe que lidar com o ser humano, se trata de ter consciência de que cada sujeito reage de uma forma diferente à mesma atividade e que a preparação do docente é importante para saber lidar com essas diferenças que ocorrem.



De acordo com o autor, com o tempo o cansaço vai tomando o docente , sua rotina começa a se tornar cansativa e ele não se empenha mais como antes. Dentre os professores que foram tomados pelo cansaço, existe também os professores que lutam independente do cansaço, salário e dificuldades, se mantendo sempre um pesquisador, incentivador e um docente que leva em consideração a realidade de vida dos alunos, cativando-os e alimentando o interesse dos educandos pelo estudo, pesquisa e conhecimento.

Segundo José Moran o professor que está cansado de sua trajetória e está desmotivado, acaba passando para os alunos essa negatividade que acaba tornando sua situação ainda pior. Por outro lado, existem os professores que em meio a crise, refletem sobre sua prática e luta para superar os obstáculos; repensam sua prática e continuam a criar novas estratégias e métodos de como se achegarem aos alunos, garantindo uma aula bem sucedida em que ocorra aprendizado de forma significativa.

Portanto, o professor deve se humanizar a cada dia e manter o calor afetivo e ser sempre reflexivo, levando em  consideração o conhecimento e interesse dos alunos para garantir que os educandos se aproximem dele fazendo com que a comunicação entre professor e alunos fluam, e que o aprendizado ocorra.

REFERÊNCIAS:

MORAN, José Manuel. A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 2. ed.
Campinas, SP: Papirus, 2007.